Brasileiro, gaúcho de São Leopoldo, defendeu a seleção brasileira de voleibol por 13 anos.

Criador do saque Viagem ao fundo do mar, participou efetivamente da popularização do voleibol no país com a chamada Geração de Prata que conquistou as medalhas de prata no mundial da Argentina em 82 e nas olimpíadas de Los Angeles em 84. 

Ganhou medalhas de ouro, prata e bronze nos Pan-Americanos de 89, 93 e 97. Entre outros títulos individuais, foi eleito melhor defesa do mundo em 81, melhor atacante e melhor jogador do mundo em 85. 

Após encerrar sua carreira nas quadras, estreou como técnico em 93 no Palmeiras/Parmalat, foi para o Chapecó em 95 e treinou o Olympikus de 97 a 99.

Paralelamente foi comentarista da Rede Globo em diversos campeonatos internacionais de voleibol.

Em janeiro de 2003, qualificou-se como Diretor Nacional de Cursos do Programa de Administração Esportiva do Comitê Olímpico Internacional. 

Em 2005 iniciou um projeto com o Grupo Cimed que em seus 6 anos de duração, se tornou um grande case do esporte brasileiro. Neste período, Renan atuou como gestor do projeto e por 2 temporadas como técnico também.

Em sua segunda passagem pela Itália, dirigiu o time da Sisley, da cidade de Treviso, onde foi campeão da Supercoppa Européia.

No futebol, foi consultor Figueirense Futebol Clube em 2010 e em 2011 assumiu a diretoria de marketing e operações desportivas do clube, onde atuou até novembro de 2012.

Atualmente, faz a gestão do time de futebol do Guarani de Palhoça/SC com foco em formação de atletas e desenvolvimento de negócios, a gestão do time de voleibol de Florianópolis e ministra palestras no Brasil e no exterior.